terça-feira, 17 de março de 2009

Professorinha visitou escola

Sol, boa disposição e necessidade de tratar de burocracias - atrevi-me a atravessar os portões da fortaleza, desculpem, escola. Auxiliares, administrativas, beijinhos e abraços e sempre a mesma pergunta, "a stôra está de volta? Mas afinal qual é a sua doença? ". Mais à frente entro na sala de professores e sou apanhada pelo intervalo! Os meus mais e outros menos, queridos colegas entram em catadupa. Todos me rodeiam. Surpreendo-me sempre com a minha popularidade! Desculpem, estou a ser cínica, e a maior parte daqueles professores não o merece. Dezenas de beijos, abraços e perguntas ao mesmo tempo. Rio , brinco com eles e principalmente comigo própria - "Já tenho uma doença chic: síndrome de Sjôrgen,eheheh!" ,"De quê? isso dá reforma? Também quero!" Os 15 minutos foram curtos para as brincadeiras, as frases afectivas"entraste,entrou o sol...","tu estás é muito boa!" Enfim, queridos colegas, fiquei exausta mas adorei ver-los. Obrigada e muitos beijinhos. Volto em breve, até porque quero ver os meus alunos. Eles foram a minha vida e vou amá-los sempre( os que já cresceram e os que estão a crescer). Termino com uma frase de Henry B. Adams : "Um PROFESSOR influi para a eternidade; nunca se pode dizer até onde vai a sua influência".

3 comentários:

Milucha disse...

A crise que atinge o Homem, de todas as classes, pobres e ricos,é a de um Mundo Absurdo. E, como dizia Albert Camus, desse absurdo nasce a Revolta! O absurdo é a relação negativa entre a exigência Humana (a satisfação das suas necessidades) e a Realidade das coisas.
O Homem Revoltado é o homem que toma consciência que a vida é absurda.
Voltarei a este tema e gostaria que me dessem as vossas ideias. Beijinhos e boa noite.

Milucha2 disse...

A revolta que sinto contra o mundo acaba transformando-se em revolta metafísica. Nela contesta-se a nossa condição e a de toda a criação.É a reivindicação contra o sofrimento de viver e morrer. Mas, a revolta não é, de forma alguma, uma reivindicação de liberdade total.O revoltado quer que seja reconhecido o seguinte: a Liberdade possui os seus limites em toda a parte onde se encontre um ser humano, sendo esse limite precisamente o poder de revolta desse mesmo ser. O revoltado exige uma certa liberdade para si próprio, mas em nenhum caso o direito de destruir o ser e a liberdade alheia. Toda a liberdade é por isso relativa. A liberdade absoluta - a de matar - é a única que não exige ao mesmo tempo essa mesma liberdade e aquilo que a limita e a suprime. Podemos, portanto concluir que a revolta, quando acaba em destruição, não passa de uma atitude ilógica.
A lógica profunda profunda da revolta não é a destruição, mas sim a da criação.
Albert Camus continua actual...

Rosa Lee disse...

Que giro que tenhas mencionado o nome de Albert Camus e de Sartre nos teus posts.....dois bons amigos que se admiravam um ao outro

Beijocas

Arquivo do blogue

Seguidores

Os melhores amigos

Os melhores amigos
Companheira de vida

Número total de visualizações de página